Roteiro para Santiago, Viña Del Mar e Valparaíso

Neste post eu vou falar sobre o que fazem em Santiago, Viña del Mar e Valparaíso. Vou fazer aquela resenha de sempre né, vou contar o que fiz e o que achei do que fiz. E comentar sobre o que não fiz.

Particularmente não acho que há muito o que se fazer em Santiago não. Eu não iria ao Chile para ir somente a Santiago. Santiago é bom combinado com algum outro destino. Seja ele Viña del Mar e Valparaíso, Cajón del Maipo, Deserto do Atacama, Mendoza, etc.

Turísticamente Santiago se resume a vista aérea proporcionada pelos cerros, ao centro histórico, alguns museus e parques. Vocês sabem que minha visita ao Chile foi bem corrida e um pouco confusa. O objetivo mesmo era ver neve, sendo assim, acabei excluindo coisas básicas do meu roteiro.

Cerros e Arredores

Cerro quer dizer morro, eles oferecem uma vista aérea de Santiago. Os mais populares são o Cerro San Cristóbal e o Cerro Santa Lucía. No Cerro San Cristóbal, eu fui e subi de funicular. A vista é legal, tinha uma feirinha tanto lá em cima do morro quanto no pé dele. É um lugar bem agradável para você passear. Lá em cima tem o belíssimo Santuario de la Inmaculada Concepción.

Pra quem curte, ali pertinho tem uma das casas-museu do Pablo Neruda, La Chascona. Pela região também se encontra o Pátio Bellavista que é uma espécie de galeria/shopping a céu aberto, com diversos restaurantes. Em suas redondezas tem vários bares e restaurantes, eu diria que é um ‘polo’ boêmio-gastronômico. Aproveite e pare em algum lugar para tomar Pisco Sour, a “caipirinha chilena. Ele é feito da cachaça chilena, Pisco, que diferente da nossa que é feita da cana, é feita a partir da uva.

No Cerro Santa Lucía eu até quis ir, mas como eu só poderia ir nele antes de Valparaíso, decidi cortar e ganhar tempo. Não há funicular, a subida é a pé. Nessa altura da viagem eu já tinha desfrutado de duas vistas aéreas de Santiago, achei que uma terceira não ia fazer tanta falta. Próximo dele, temos recomendadíssimo Centro Cultural Gabriela Mistral. No mais, dê umas voltas despretensiosas por ali, afinal Lastarria é um bairro muito querido em Santiago.

Estando com tempo, não deixe de passar no Parque Florestal, tem uma carinha de parque europeu que encanta brasileiros. Lá você encontrará o Museu de Arte Contemporânea e o Museu de Bellas Artes.

Sky Costanera

Então gente, o Sky Costanera é o mirante mais alto da América Latina, fica a 300 metros de altura e oferece visão de 360 graus. Ele fica anexo ao shopping Costanera Center. É carinho para subir, mas achei a vista de lá incrivelmente espetacular (superior ao do Cerro, eu diria).

De lá fui capaz de ver as cordilheiras salpicadas com neve, uma das coisas mais lindas dessa viagem. Lá você pode usar os binóculos gratuitamente. O por do Sol de lá é um dos mais famosos de Santiago. Vá ao final da tarde com o dia ainda claro e fique até o Sol se por. Para chegar lá basta descer na estação de Metrô Tobalaba, olhe em volta, localiza um prédio que você vai olhar e pensar “Meu Deus, muito alto!” e segue na direção dele. Foi assim que não me perdi, funcionou.

por do sol sky costanera
Fim do por do Sol visto do Sky Costanera

Centro Histórico e Mercado Central

O jeito óbvio de fazer este rolé é começar no Palácio de La Moneda e terminar no Mercado Central. O Palácio de La Moneda é a sede da Presidência da República do Chile e tem esse nome porque já foi casa da moeda um dia. Dia sim, dia não, rola um troca de guardas por lá (em Agosto aconteceu em dias ímpares). É uma cerimônia interessante, nunca tinha visto nada igual (mostro um pouco no vídeo). Eu achei que não ia dar pra ver, tirei do meu planejamento, mas consegui assistir antes de ir para Valparaíso e fiquei muito feliz com isso.

palacio da moeda
Observando a troca de guardas, Palacio de La Moneda no fundo

Na cara do Palácio tem o Centro Cultural Palácio de La Moneda, com exposições itinerantes. Apesar da entrada ser gratuita, não entrei. Em frente ao Palácio também tem a Plaza de La Constitución com a famosa estátua do Salvador Allende (presidente deposto pela ditadura). Atrás da Praça, tem as Ruas Augustinas que é onde fica boa parte das casas de câmbio de Santiago.

Antes de chegar ao Mercado Central, no caminho terá o Museu de Arte Precolombino cujo acervo está relacionado aos povos antigos da América, entre e explore se for essa tua vibe. Siga em direção a Plaza de Armas que é bastante agradável e concentra vários construções históricas, como a imponente Catedral Metropolitana de Santiago e o Museu Histórico Nacional, com a interessante história do Chile. Admiro a capacidade do Chile de se reerguerem após cada terremoto e da prosperidade que o país usufrui apesar de ter protagonizado uma das ditaduras mais cruéis da América do Sul.

Enfim… daí você segue pro Mercado Central, admirando tudo que vir pelo caminho. Apesar de todo mundo dizer que TEM QUE IR, dispensei, turístico demais para o meu gosto e detesto o assédio excessivo de garçons. Além do mais eu já tinha almoçado e os preços também ó \_____o_____/ haha mas se quiser comer aquele caranguejo gigante do pacífico (Centolla), provavelmente lá é o lugar… eu vi por foto e streetview, me dei por satisfeita.

Vinícola Concha y Toro

O inverno não é a melhor época para se visitar uma vinícola porque você não vê uvas. Não tem aquele negócio de ver as uvas, perceber as diferenças e tudo o mais, você só vai ver um negócio que um dia vai ser uma parreira.

Sem título
Cadê as uvas?

Mesmo assim eu fiz muita questão de fazer este passeio. Ele é bem turistão mesmo. Tem horas que chega a ser meio tosco. Mas eu, que sou totalmente iniciante na arte dos vinhos, gostei. Aprendi um pouco sobre a produção, fora a degustação de vinhos.

Lá tem dois tipos de tour: o Tradicional e o Marques de Casa Concha. O primeiro é o basicão e o segundo mais refinado. Até onde eu entendi, a diferença principal entre um e outro é que no segundo há armonização com queijo. Eu devia ter escolhido o segundo, afinal amo queijo. Mas eu reservei com uma semana de antecedência pelo site e não tinha mais.

Aliás nem o tour em português do tradicional tinha mais. Fiz em espanhol mesmo. Compreendi perfeitamente bem, a guia falava pausado. Aparentemente eu não fui a única que ficou sem vaga no tour em português, no meu grupo só tinha brasileiros. Então a dica que eu daria: se tiver certeza que quer fazer, reserve com tanta antecedência quanto possível. Mas se não for sua primeira vez numa experiência desse tipo (ou se você for conhecedor de vinhos), escolha outra vinícola. No final você ganha uma taça de brinde e tem um loja para comprar vinhos.

Bate e volta ao Litoral

Muitas agências oferecem o passeio a Valparaíso, mas ir a Valparaíso por conta própria é muito fácil. Eu fui pela Tourbus que você pode reservar online, se conseguir (e garantir um desconto se ainda for válido). Os ônibus partem essencialmente de duas rodoviárias: Terminal Alameda (próximo a estação do metrô de Universidade de Santiago) ou Terminal de Pajaritos (próxima a estação de Pajaritos). Eu saí da primeira que era mais perto pra mim. Achei os ônibus confortáveis. Chegando lá comprei a ida de Santiago a Valparaíso e a volta de Viña Del Mar a Santiago. Comprei os dois trechos de uma vez porque estão sujeito a lotação e você ficar preso por lá.

Valparaíso

Admito que chegando a Valparaíso fiquei um pouco perdida, saí da rodoviária e não sabia pra onde ir. Valpo me pareceu uma cidade tumultuada nos primeiros segundos. A primeira coisa que eu pensei “gente, será que é seguro estar aqui?” coisas de quem vive no Rio. Me arrependi de não ter ficado ali com mais calma, poderia ter comprados lembranças a preços bem bacanas. Valparaíso me pareceu uma imensa feira livre pelos arredores da rodoviária.

ameaca de tsunami
Essa placa foi uma das primeiras coisas que vi ao chegar, pensamento: “eita porr*, que que eu to fazendo aqui? Quero ir embora haha”

Pra ser bastante sincera eu fiquei igual barata tonta em Valparaíso. Fiquei usando uma invenção divina: GPS off-line. O mapa me ajudou, mas não tanto porque não tinha detalhes. Eu havia me esquecido de baixar o mapa pro celular. Caminhei da Rodoviária até a “orla” que é onde tem as estações do VLT. Fui pra estação Francia e de lá segui até a estação Puerto.

Ali tem o simpático Porto de Valparaíso. Visitei a Plaza Sotomayor que é praticamente em frente. Gastei meus últimos pesos tomando sorvete numa sorveteria bem legal por ali. É uma região bem agradável, acho que foi a parte que eu mais gostei de Valpo.

na plaza soto mayor
Junto ao monumento aos heróis na Plaza Sotomayor

Tive a sensação que o passeio é melhor aproveitável se você tiver um guia. Eu não tinha mais meio peso e então ficava observando grupinhos com uma pessoa liderando, assumia que era um tour e começava a seguir discretamente. Me mata de vergonha. Mas viajante duro tem que se virar. E foi assim que eu conheci Valparaíso, tomando carona em tour alheio.

Mas o grande lance de Valpo parece ser subir os morros, apreciar a vista e explorá-los. Lá tem vários Ascensores que te levam aos morros. Valparaíso é um polo cultural que eu carinhosamente digo que é apenas um favelão colorido tombado pela UNESCO. Admito que não me encantou muito, morro eu tenho em casa. Por lá também tem uma casa de Pablo Neruda, La Sebastiana.

com grafitte em valparaiso
Street Art en Valpo

Viña Del Mar

Depois peguei o VLT no sentido oposto e desci na estação Miramar. Ao contrário de Valparaíso, Viña del Mar não só me encantou, como me deixou perdidamente apaixonada. Eu senti vontade de morar lá. Pela qualidade de vida. Achei um passeio extremamente agradável. Suas praças, suas praias…

praia em vina del mar
Calça e tênis na praia, turista demais né? Eu estava muito feliz por ser a primeira vez numa praia da costa do oceano Pacífico. Nem estava tão gelada quanto dizem

Não é um lugar pra você ficar pensando em bater cartão em ponto turístico, é para você passear despreocupadamente, apreciar a leveza e beleza da vida. Fui em um domingo e Viña del Mar estava cheia. Não desagradavelmente cheia, mas cheia de vida. Viña me passou muita positividade, crianças brincando, jovens e adultos passeando.

Sem título
Carinha de c* no famoso relógio das flores – é um relógio de verdade!

Depois fui para rodoviária que fica próxima a estação Viña del Mar e voltei para Santiago.

Vídeo que fiz com muita amor e carinho sobre os lugares que cito:

Veja também

1 dia na Neve – Chile Não vou mentir para vocês, meu objetivo ao ir pro Chile era ver neve pela primeira vez. Talvez, hoje, Chile seja o jeito mais prático e barato para te...
Dissabores em Santiago Eu gostei de absolutamente tudo no Chile, exceto Santiago. Dentre as poucas capitais da América do Sul que conheço definitivamente foi a que eu gostei...
Roteiro de 3 dias no Chile O Chile é um país que usufrui de bons indicadores sociais, é um dos países mais prósperos da América Latina e provavelmente o mais próspero da América...